Liberta DJ

A história do funk resiste e exalta suas lendas que tiveram forças para desabafar sobre sofrimentos, felicidades e, por que não, as putarias nas políticas identitárias da música.

O funk perdeu no último dia 19 de abril um de seus grandes nomes: MC Sapão. Com o repertório de sucessos no Brasil inteiro como “Eu tô tranquilão” e “Vou desafiar você”, Sapão sai de cena já no hall das lendas do movimento funk.

A massa funkeira cultua grandes artistas desde o começo dos anos 90, mesmo sendo um ritmo que cria novas possibilidades de aberturas artísticas e, até por isso, resulta em uma velocidade gigante de transformações dos paradigmas sonoros.

Há quem diga que o funk durante 20 anos não soube passar o bastão de uma geração para a outra, assim como fez bem, por exemplo, o samba. As rítmicas e os estilos de composições do samba se modificaram, mas, pela configuração conservadora de seus fundamentos, não foi desfigurado. O funk, porém, sem os mesmos determinismos estruturais da música, por ser aberto e subjetivo na criatividade, fez-se com poucos fundamentos inabaláveis na história na música brasileira. E é essa a maior característica para a sua abrangência. As ideias políticas, estéticas, éticas da cultura funk continuam em extrema ebulição cultural conforme a identidade do som, no qual pode-se definir como o mais discriminado neste século.

O funk se desenvolveu de diversas maneiras e estilos desde a introdução no Rio. Teve o início com o fomentador maior da época o DJ Marlboro, quando lançou, em 1989, o “Melô da mulher feia”. Uma versão brasileira “Do Wah Diddy”, do 2 Live Crew. Posteriormente a isso, o pedido por paz nas comunidades foi simbolizado pelo nascimento da dupla Cidinho e Doca, com o hoje clássico “Rap da Felicidade”, e outros tipos de entretenimento característico nas músicas do Bonde do Tigrão com “Cerol na Mão” e o “Baile Todo”. Os lamentos sobre os problemas de se viver na violência da favela, ou as grandes alegrias das periferias do Rio, deram entrada para o funk putaria, que inesperadamente lançaram as vozes femininas no front.

Lembrado pela ideia libertária dos versos das músicas “Fama de putona só porque como seu macho” e “Tá ardendo, mas tô aguentando”, respectivamente, Tati Quebra-Barraco e Deize Tigrona levaram algo novo nas músicas: um combo de relação à sexo explícito e zoação aos homens.

Inclusive, Deize Tigrona, que hoje é gari, teve muita importância no funk putaria dos anos 2000. Ela foi o primeiro nome do funk a conquistar sucesso internacional nesta época, levando sua música “Injeção” ser sampleada por M.I.A., conhecida por “Bucky Done Gun”.

Uma das grandes iniciativas de resgate e recuperação foi a criação da Roda de Funk, iniciada em 2009 pelo grupo ApaFunk (Associação dos Profissionais e Amigos do Funk), que homenageou nomes gigantes como Mc Colibri, Tati Quebra-Barraco e firmou a carreira de Nego do Borel e Mc Carol, posteriormente. Mas não é possível esquecer também da Furacão 2000, que durante anos registrou e divulgou diariamente a existência do funk na TV brasileira. Pela CNT nos anos 90 e pela Band, tempos depois, o empresário e paizão Rômulo Costa teve muita importância no empreendedorismo do movimento funk.

A visão do funk como empreendedorismo resvalou, consequentemente, na própria Roda de Funk e resultou no maior baile do Rio de Janeiro: A Gaiola, do organizador DJ Rennan da Penha. O fato de o DJ estar preso só reafirma como o funk é criminalizado essencialmente pelo poder. Poder racial, midiático, político, musical e de classe.

Em 2002, Claudinho e Buchecha soltavam o trecho “LIBERTA DJ” para felicidade da música “Bonde da Zoeira”, em 2019 o grito é de liberdade e denúncia contra o racismo estrutural que subjuga o funk e determinou a prisão de Rennan.

Espera-se dias em que os ídolos do funk sejam lembrados e exaltados pelas músicas, ações e inspirações que eles são para as favelas de onde vieram, e não pelas injustiças e discriminações das diversas esferas da sociedade.

Texto: Cassiel Macedo

Edição: Carlos Alberto Nhanga e Mariana Garcia

Arte: Narciso Spovith

Leave a Reply

Your email address will not be published.